menu
Topo
Blog do Pichonelli

Blog do Pichonelli

Categorias

Histórico

Bolsonaro, "golden shower" e a carnavalização da política brasileira

Matheus Pichonelli

2007-03-20T19:05:00

07/03/2019 05h00

 

(Foto: iStock)

No último texto, falamos por aqui sobre um tipo de folião incapaz de passar os cinco dias de Carnaval sem dizer o quanto odeia Carnaval e todo tipo de manifestações artísticas e populares do Brasil, associadas quase sempre a promiscuidade, sujeira, desordem e degeneração moral. Um caso de psicanálise, talvez, que transforma desejos reprimidos e autocensura, com toques de recalque, não em indiferença, mas em ojeriza, como se precisássemos sempre atacar alguém para afogar uma pulsão que vive em nós.

Leia também

Esquecemos de dizer que, entre esse tipo de brasileiro que diz amar o Brasil mas despreza sua cultura não estão só comentaristas de TV para quem o folião é um sujeito destituído de discernimento e refém de "estímulos" supostamente contraditórios entre campanhas de prevenção (leia-se "transe com camisinha") e campanhas antiassédio (leia-se "sexo não é violência", "respeite as mina", "não é não"). Está também o presidente da República.

Pois, enquanto as ruas demonstravam que o atraso teria de suar para impor sua agenda ao Brasil real, como bem lembrou o Leonardo Sakamoto, Jair Bolsonaro tentava vestir de toda forma a fantasia do superego, ora defendendo o uso, por agentes públicos ou não (vulgo todo mundo), da ampliação da letalidade, ora anunciando uma certa "Lava Jato da Educação", entre outros sinais de que, sob seu governo, a Quarta-Feira de Cinzas seria mais cinza do que em anos anteriores.

Alvo de deboche pelas ruas, e vendo nos desfiles das escolas de samba vigorosas manifestações políticas em defesa de minorias e dos relegados pela História, o presidente encerrou a festa com um tiro de canhão: o compartilhamento de um vídeo obsceno em que uma pessoa urina em outra durante a festa.

"É isto o que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem suas conslusões (sic)", escreveu Bolsonaro.

Se você, como eu, pulou o Carnaval com sua família e não viu nada parecido com o vídeo, ou te enganaram ou você desfilou no lugar errado.

Fora do contexto, a cena servia para estereotipar todo um grupo social (os foliões), como definiu o Rodrigo Ratier e, até o fechamento deste post, ninguém sabia onde, quando e quem a havia flagrado. Uma pergunta ficou no ar: que tipo de grupo de WhatsApp o presidente anda frequentando? E mais: como tem lidado com as próprias compulsões?

Com tal conteúdo, o post recebeu um alerta do próprio Twitter: "ocultamos automaticamente vídeos com possível conteúdo sensível ou impróprio".

A postagem logo se tornou o assunto principal do país e, voluntariamente ou não, mudou o patamar das discussões, até então pautadas pelas críticas ácidas de escolas de samba como a Mangueira, campeã do Carnaval – e as críticas às críticas, e às críticas às críticas às críticas.

No dia seguinte, as perguntas já não diziam respeito à politização do Carnaval brasileiro, mas da carnavalização (no sentido pejorativo, pois deslocada do lugar original) da política nacional, um fenômeno que Bolsonaro parece ser antes a consequência do que a causa.

Em tempos de redes sociais, que exigem concisão do discurso, apelo a imagens de impacto e slogans de fácil assimilação, a política brasileira deu impulso justamente a quem grita mais e pensa menos.

Assim, os espaços para brincadeira viraram plataformas de assuntos sérios (violência, desrespeito, preconceitos), enquanto os espaços dos debates sérios foram, aos poucos, infantilizados – basta lembrar os recados tipo Xou da Xuxa ("beijo pra minha mãe, pra minha vó, pra todas a minha família e especialmente pra você") durante as sessões do impeachment, as cantorias de fundão da sala com plaquinhas e hashtags das grandes discussões e até mesmo o protesto de parlamentares do PSOL que levaram laranjas aos corredores do Congresso em alusão ao caso do motorista Fabrício Queiroz, ex-assessor e amigo da família Bolsonaro.

Quem, nessa época, ainda opta em agir como adulto, tentando mostrar que "veja bem, não é por aí, as coisas são mais complexas do que esse maniqueísmo raso" é imediatamente engolido pelos berros de quem aprendeu que redes sociais, quando usadas para forçar narrativas, são o túmulo da razão e do bom senso.

O tuíte de Bolsonaro é a prova disso.

Na guerra pela audiência nas redes, o Brasil está na mão de meninos arteiros que, embora envelhecidos, parecem desconhecer a responsabilidade das próprias palavras, gestos e ações. Querem criar indignação e chamar a atenção para uma suposta obscenidade de uma festa popular compartilhando e se lambuzando em suas próprias vulgaridades – a maior delas, o escapismo.

Faz algum sentido? No Brasil de 2019 faz.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Matheus Pichonelli é jornalista reincidente e cientista social não praticante. Trabalhou em veículos como Folha de S.Paulo, portal iG, Gazeta Esportiva, Yahoo e Carta Capital. Araraquarense, desistiu de São Paulo após 12 anos e voltou a morar no interior, de onde escreve sobre comportamento, cinema, política e (às vezes) futebol.

Sobre o blog

Este blog é um espaço de compartilhamento de dúvidas, angústias e ansiedades vivenciadas em um mundo cada vez mais conectado, veloz e impessoal.