PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

O que explica a Tubaína de Bolsonaro no pior momento da pandemia?

Matheus Pichonelli

21/05/2020 04h00

Bolsonaro faz piada sobre cloroquina durante entrevista por videoconferência

No dia em que o Brasil superou, pela primeira vez, a marca de 1.000 mortos em 24 horas pelo coronavírus, Jair Bolsonaro apareceu sorridente, em uma videoconferência, fazendo piada com a cloroquina, o seu emplastro Brás Cubas.

Sem querer politizar o uso do medicamento, mas já politizando, o presidente até admitiu que tudo pode não passar de efeito placebo, mas que ficará com a consciência tranquila por ter tentado e apostado nos efeitos milagrosos da sua solução. Na dúvida, sentenciou o presidente, quem é de direita toma cloroquina; e quem é de esquerda toma (suspense! Vem palavrão aí?)…Tubaína…

Os risos ecoaram no recinto. Estão ecoando até agora.

Veja também

Não sei vocês, mas acho que nessas horas as ferramentas de análises psicopatológicas deveriam ser itens de primeira necessidade à mesa do brasileiro. Mais do que qualquer exame, todos deveriam saber o que se passa na cabeça do presidente. Sem elas, ninguém sabe até onde ele é capaz de ir.

Arrisco dizer que a risada ao fim da piada do pavê era um crime confesso de indiferença com os mortos na pandemia. Dessa vez, sem nem trazer no bojo o seu já consagrado "e daí?". Mas não só. Quem assiste ao vídeo com atenção percebe que não havia ali apenas indiferença. Nem só uma tentativa de suspender o peso da realidade com uma concessão ao alívio cômico. 

Tinha algo de regozijo. Uma certa alegria indisfarçada. Como se as mortes fossem solução, não o problema em si.

A desconfiança ganha corpo se alguém lembrar que o símbolo da trajetória de Bolsonaro até a rampa do Palácio do Planalto era uma arma, desenhada num gesto entre o polegar e o indicador que podia ser ensinado para crianças em campanha.

Flauta de Hamelin

Hoje, diante dos esforços para achatar a curva de contaminação pelas vias do isolamento, Bolsonaro quer que as pessoas saiam de casa. É um desejo quase obsessivo.

O polegar e o indicador ao alto são a sua flauta de Hamelin, a cidade medieval da Alemanha infestada pelos ratos no conto dos irmãos Grimm. Na versão à brasileira da história, as notas musicais anti-epidemia são compostas com cloroquina e a peste é combatida pela perversão dos que transformam as vítimas da solução final em roedores. 

O condutor da flauta tem um sorriso incontido dizendo "saiam, sejam homens, não covardes". Despreza, inclusive, os riscos cardíacos de um medicamento sem eficácia comprovada.

Os ratos somos nós.

E alguns de nós já fomos metamorfoseados antes em pestes responsáveis por enlamear cidades, corroer orçamentos e infestar os tetos das caixas previdenciárias gerenciadas pelos cidadãos de bem com histórico de atleta.

A doença redentora só mataria velhos e pessoas doentes, lembra? Os pesos de um sistema deficitário, lembra? E ninguém merece carregar o peso de um cemitério nas costas, como ensinou a agora ex-secretária da Cultura Regina Duarte. Lembra?

Inevitável tentação

Em uma reportagem recente, meu amigo Felipe Bächtold e a repórter Daniela Arcanjo ouviram psicanalistas para tentar entender a personalidade do presidente. Lógica paranoica, messiânica e delirante, demonstrações de fragilidade e onipotência foram alguns dos elementos observados pelos especialistas a partir dos discursos do capitão. Mas os próprios especialistas ressalvam: feitas à distância, as observações servem como pistas, não como um diagnóstico.

Seguimos, então, sem saber o que aconteceu na infância do pequeno capitão que martela hoje como um trauma coletivo.

A palavra psicopatia, grifo meu, surge inevitável, mas também como tentação. Na reportagem citada, o professor da Escola de Administração da FGV (Fundação Getulio Vargas) Marcelo Galletti Ferretti já alertava que classificar o presidente como alguém psicopatologicamente acometido pode desresponsabilizá-lo por suas atitudes, como a de estimular a população a sair de casa em meio a uma pandemia. "O impulso de colocar na conta da loucura as idiossincrasias dele tira a discussão do campo político para o campo psicopatológico."

Pois no campo político tudo é óbvio demais até para ser desenhado.

No dia em que 1.179 famílias choraram seus mortos na pandemia, Bolsonaro conseguiu botar a Tubaína no centro da conversa. Entre risos, o flautista macabro convoca os habitantes da toca a sair para a rua e esquecer por instantes que no pico da pandemia o país não tem sequer ministro da Saúde há quase uma semana.

No conto dos irmãos Grimm, só quem se salva do abismo é quem não ouve a canção mágica. Isso é uma dica, não um spoiler. 

Sobre o autor

Matheus Pichonelli é jornalista reincidente e cientista social não praticante. Trabalhou em veículos como Folha de S.Paulo, portal iG, Gazeta Esportiva, Yahoo e Carta Capital. Araraquarense, desistiu de São Paulo após 12 anos e voltou a morar no interior, de onde escreve sobre comportamento, cinema, política e (às vezes) futebol.

Sobre o blog

Este blog é um espaço de compartilhamento de dúvidas, angústias e ansiedades vivenciadas em um mundo cada vez mais conectado, veloz e impessoal.

Blog do Pichonelli