Topo
Blog do Pichonelli

Blog do Pichonelli

Categorias

Histórico

Decepção de José Padilha com Sérgio Moro é alerta: herói, só na ficção

Matheus Pichonelli

18/04/2019 04h00

O "herói" Capitão Nascimento, de Tropa de Elite – Reprodução

A carta-desabafo de José Padilha, diretor de "Tropa de Elite", sobre sua decepção com o ex-juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro é didática em muitos sentidos.

O principal deles: não se pode ter ídolos na vida. Não para sempre. Menos ainda depois de adultos.

O conselho vale também para quem alimenta gurus, heróis, mitos e guerreiros do povo brasileiro em geral. Delegar a alguém as esperanças de salvação não é só ridículo. É também perigoso (se tiver alguma dúvida, assista "Wild, Wild, Country", série vizinha de "O Mecanismo" na Netflix, na qual Moro já era desenhado por Padilha como herói).

Leia também

Padilha, que já chamou o ex-magistrado de "Samurai Ronin", aparentemente está decepcionado com o pacote anticrime do agora ministro. Segundo ele, o projeto que promete complicar a vida de bandidos tende a fortalecer também as milícias, como essas que matam, controlam o tráfico, o serviço de TV a cabo e a construção de prédios que desmoronam sem a devida fiscalização no Rio.

Um samurai ronin é conhecido por não seguir mestre algum. No caso de Padilha, era uma referência à independência política observada pelo cineasta na conduta do juiz Sérgio Moro ao longo da Lava Jato. Pois o mesmo Moro que mandou prender Lula, então candidato a presidente em 2018, aceitou trabalhar para seu rival, Jair Bolsonaro, quando este venceu a eleição.

Não vou entrar no mérito dos argumentos, mas que a situação é irônica é.

Lendo a carta, a vontade é oferecer um abraço e dizer "te entendo, amigo". Na minha prateleira, o que não faltam são ídolos de pés de barro que perderam o posto após declarações bizarras, demonstrações gratuitas de preconceito ou passagens imperdoáveis da biografia. Michael Jackson puxa a fila.

Quando a relação entra no campo político, a coisa engrossa ainda mais. Como se não bastasse ter de responder pelas bobagens que cometemos ao longo da vida, o risco é sermos cobrados também pelos equívocos cometidos pelo ídolo que estampa nossa camiseta e nosso avatar no Facebook.

Você já deve ter visto esse filme.

Bertolt Brecht dizia que um país que não tem herói é um país miserável, mas que é também miserável um país que PRECISA de heróis.

O Brasil de um tempo pra cá (só o Brasil? Só de um tempo pra cá?) virou uma terra arrasada de referências.

Tempos atrás, o símbolo de um país que supostamente reagiria à letargia em relação à criminalidade era justamente um personagem fictício de uma obra de Padilha: o violento e perturbado Capitão Nascimento. Bem, o fato de o próprio Wagner Moura ser a antítese, na vida privada, de seu personagem-símbolo já é suficiente pra provocar um tilt na cabeça dos desavisados.

A verdade é que, nesta terra arrasada, a única coisa que brota é o ressentimento, e nessas horas o que não faltam são candidatos a ídolo, mitos e gurus, guerreiros do povo brasileiro e samurais salvadores com uma espada de Grayskull* nas costas gritando "eu tenho a força".

Pobre de quem acredita.

Como definiu, em um debate recente, o psicanalista Jurandir Freire Costa, em um mundo marcado pelo desemprego e pela precarização do trabalho, sofremos hoje uma perda gradativa de identidade e enraizamento – o emprego/missão, afinal, define o que somos, onde vivemos e o que fazemos.

Junto com a crise em outras referências (políticas, religiosas, intelectuais, etc) que já não dão respostas para um mundo complexo e conectado, essa perda nos leva, segundo ele, a odiar tudo o que nos frustra, a idealizar um passado supostamente perfeito e a criar uma espécie de fetiche em relação a líderes que nos prometem resolver todos os problemas no grito.

O problema é que, entre ilusões e desilusões, vivemos sempre em compasso de espera, à esquerda e à direita, trocando de ídolos como quem troca de camisa, na esperança paralisante de quem terceiriza os anseios aos que imaginamos não ter os nossos defeitos, nossas fraquezas e nossas contradições.

Não é questão de torcer para dar certo ou errado este ou aquilo governo, mas de saber que nada pode dar certo enquanto a servidão for um ato voluntário.

Deixar de acreditar cegamente em nossos heróis é o primeiro passo para realmente fazer a diferença. O resto é esperneio.

*Vou terminar o texto como fazia um velho desenho da TV: no episódio de hoje aprendemos que juiz não é samurai, é um servidor público, e faria um bom serviço se assim se comportasse, de modo impessoal, sem vaidade ou inclinações políticas. Até a próxima, pessoal!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Matheus Pichonelli é jornalista reincidente e cientista social não praticante. Trabalhou em veículos como Folha de S.Paulo, portal iG, Gazeta Esportiva, Yahoo e Carta Capital. Araraquarense, desistiu de São Paulo após 12 anos e voltou a morar no interior, de onde escreve sobre comportamento, cinema, política e (às vezes) futebol.

Sobre o blog

Este blog é um espaço de compartilhamento de dúvidas, angústias e ansiedades vivenciadas em um mundo cada vez mais conectado, veloz e impessoal.

Blog do Pichonelli